quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

A propósito do Carnaval

[foto retirada daqui]

Mais um Carnaval se sumiu por entre a alegria e energia dos muitos foliões. Não me sinto parte integrante desse grupo que pensa milimetricamente na fantasia que sairá à rua, muitas das vezes arriscando uma constipação/gripe. 
Mesmo assim não critico até porque no Carnaval não se deve levar a mal, embora algumas coisas que vejo por aí me façam alguma confusão como é o caso de se sambar em trajes menores em pleno Fevereiro... mas isso são outras conversas...).

Recordo-me que quando era miúda gostava de poder vestir personagens do meu imaginário e experimentar a pele de profissões que eu apreciava. Nessas aventuras sempre tive a preciosa colaboração de uma tia costureira que alinhava na brincadeira e me fazia sonhar com a indumentária criada para o efeito. 

Essa magia do Carnaval foi-me fugindo pelas mãos do tempo como se de areia se tratasse. Agora percebo que há outra forma de perpetuar essa magia e que não se limita aos três (ou alguns mais) dias de Carnaval. Falo da escrita e da liberdade que o ato de escrever me proporciona. Através dele personagens ganham vida, emoções e tornam-se principais em enredos tecidos pela minha imaginação. É neste mundo que me refugio sempre que o meu cérebro começa a ficar preso a rotinas do dia-a-dia e eu entediada com tal facto. É sobretudo nesses momentos que escrevo e entro no mundo ilimitado das histórias imaginadas.

Em relação ao Carnaval... talvez o viva novamente na cidade das gôndolas... quem sabe um dia, em Veneza... :)

3 comentários:

Isa E. disse...

Muito interessante a maneira como você perpetuou o carnaval em sua vida... Fez com que eu me lembrasse das palavras de um jornalista brasileiro "sem fantasia, a vida seria uma eterna quarta-feira de cinzas" :)
Obrigada pela sua visita e muitos, muitos beijos :)

A Minha Essência disse...

Gostei da analogia que fizeste.

Eu particularmente, não gosto do Carnaval.

Kiss:)

açoriana disse...

Isa E. - O ser humano precisa de sonhar e de concretizar esses sonhos (ou pelo menos tentar insistentemente!). Quando crescemos ficamos mais sisudos porque não nos permitimos fantasiar como quando somos crianças e não nos cansamos de estar com a cabeça nas nuvens...
Quem disse que não podemos continuar com a cabeça nas nuvens e com os pezinhos no chão?!

A Minha Essência - sê bem-vinda a este meu cantinho! Partilho contigo esse não-gosto-do-Carnaval, pelo menos da forma como é vivido por aqui :)