quinta-feira, 12 de abril de 2012

Felizes achados

[foto minha]

Andava eu a deambular pelas ruas de uma cidade (ainda desconhecida), atenta aos pormenores e ao seu pulsar quando dei de caras com esta mensagem «You'll never walk alone» e trouxe-a comigo! Impensável deixá-la, apenas, gravada na memória visual...

Efetivamente há momentos em que pensamos que somos os únicos transeuntes de uma estrada longa e sinuosa. Mas basta olharmos para o nosso lado: haverá sempre alguém a caminhar ao nosso lado, com quem nos cruzaremos um dia ou, então, apenas caminhemos em estradas paralelas. 

A blogosfera é um desses caminhos, que percorro há alguns anos mas com muitas paragens pelo meio.Um caminho que fiz em segredo durante muito tempo, porque queria percorrê-lo para não me sentir estagnada. Para sentir que dava pequenos passos e que, por muito insignificantes que parecessem a olho nu, somavam significativas conquistas do meu verdadeiro eu. Hoje reconheço que foi, sem margem para dúvidas, um caminho solitário. Só dois ou três amigos chegados tiveram o acesso a este meu diário de voo. Mas era assim que fazia sentido: um diário, em forma de blogue, onde podia partilhar um pensamento, uma imagem, uma música ou um desabafo... Onde me era possível firmar as minhas alegrias e conquistas e expulsar os meus medos, as minhas tristezas e desilusões, mantendo-as vivas na minha memória. 

À medida que fui sendo "descoberta", este caminho ganhou outro significado, onde a partilha e a troca de ideias e reflexões o torna mais rico. Não faz sentido que, mesmo que trilhe um caminho só meu, não o possa entrecruzar com o de outras pessoas que encontram nas palavras uma forma de criar laços virtuais, tal como não faz sentido acompanhar (de forma mais ou menos assídua) outros blogues, sentir-me impelida a registar a reflexão que aquele post me proporcionou e permanecer em silêncio sem deixar rasto... 


Pois bem... naquela rua, naquela cidade ainda desconhecida, começou uma nova forma de viajar por este fantástico mundo da blogosfera... uma viagem consciente feita de registos partilhados porque, efetivamente, nunca estamos verdadeiramente sós. E ainda bem que assim é...

2 comentários:

Isa E. disse...

Estou com você nessa incrível viagem, desbravando um mundo construído única e exclusivamente por palavras...
Um grande abraço, minha querida :)

açoriana disse...

E isso é uma excelente ideia!
um beijinho grande querida Isa E :)