quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Poema para Laurence Caleghari

Com extrema aplicação,
como quem escreve um poema,
compõe o pintor a sua paleta.

Primeiro os brancos, com que inventa os navios. Logo
os amarelos, imenso campo de trigo.

Com os vermelhos,
hasteia uma bandeira. Enquanto
os azuis cumprem o destino do vento.

Com o verde
preenche a alegria das folhas.
E os castanhos são
a pele húmida dos montes.

Finalmente o preto.
Com ele escreverá
apenas a palavra liberdade.

Emanuel Félix

(Poeta açoriano 1936-2004. Este poema foi escrito em Paris, algures no ano de 1979)

1 comentário:

olinda morgado disse...

Belamente gráfico!
Obrigada pela partilha!
:)